Orientação do SINDIFES às trabalhadoras e aos trabalhadores contra os desmandos no Hospital das Clínicas da UFMG

A Direção do SINDIFES vem, mais uma vez, demonstrar sua indignação com a opção da Diretoria do Hospital das Clínicas da UFMG (HC) em novamente discriminar os trabalhadores da UFMG lotados nesse hospital, algo que se tornou frequente desde a entrada da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH) na instituição, descumprido os acordos feitos com a Direção do SINDIFES e sistematicamente desrespeitando as orientações da Reitoria da UFMG que abrangem TODOS os trabalhadores da universidade.

Sempre atuamos no Hospital das Clínicas com a maior responsabilidade, cuidado e zelo para com os pacientes e os procedimentos adotados no HC, por entendermos que nosso hospital é um patrimônio dentro do SUS, especialmente para a sociedade mineira. Porém, não temos visto o mesmo zelo por parte de trabalhadores de outros vínculos, que são protegidos pela Direção, a exemplo do que foi visto na recente greve realizada no HC, em que pessoas abandonaram seus locais de trabalho e deixaram a total responsabilidade somente para os trabalhadores do Regime Jurídico Único (RJU). Nós, servidores do quadro efetivo da UFMG, temos compromisso com o hospital e com o seu pleno funcionamento, mas não mais vamos aceitar a continuidade do desrespeito e da discriminação que têm ocorrido com os servidores da UFMG lotados neste local. E embora continuemos na tentativa de dialogar, como sempre o fizemos, mesmo antes de a EBSERH comprometer e desequilibrar as relações no ambiente de trabalho, é preciso denunciar o que ocorre atualmente no HC, com a prevalência de trabalhadores estressados, ansiosos e adoecidos.

A Direção do SINDIFES sempre se dispôs ao diálogo com a administração, e neste sentido solicitou reunião com a Diretoria do HC, que foi realizada no dia 21 de junho. Na ocasião, foi apresentada a demanda de como viabilizar a participação dos servidores interessados em usufruir do direito de tirar as horas e compensar posteriormente por causa dos jogos da Seleção Brasileira. E para isso era necessário que as escalas de procedimentos ambulatoriais fossem construídas neste sentido, de facilitar aos trabalhadores do HC o direito estendido a todos os demais TAES da UFMG. Ao fim da reunião, conduzida neste sentido, acreditamos que era isso que aconteceria, mas em vez disto, o que vimos foi a falta de bom senso e de razoabilidade da Direção, quando fomos surpreendidos com as escalas de procedimentos ambulatoriais intensificadas desnecessariamente, por ordem da Diretoria.

Devido às incoerências no tratamento da Diretoria com os servidores RJU do hospital, a Direção do SINDIFES entende que são necessárias ações radicais buscando chamar a atenção para o sofrível ambiente estabelecido no HC, fonte de estresse e adoecimento para nossa Categoria. Somos todos servidores da UFMG, e é assim que queremos e exigimos ser tratados. E vamos nos insurgir contra os desmandos, buscando por todos os meios os nossos direitos, pelo restabelecimento do respeito e contra a discriminação da Diretoria e da Reitoria da UFMG, co-partícipe das decisões arbitrárias da direção do HC, tendo em vista que tem conhecimento de tudo que acontece, porém não se manifesta no sentido de coibir as arbitrariedades! Parece que a administração central se esqueceu, inclusive, do compromisso assumido por ocasião da campanha eleitoral, quando disse que teria um olhar atento às demandas dos trabalhadores do HC! Não mais aceitaremos passivamente esse tipo de comportamento! É preciso mudanças já!

Neste sentido, orientamos os trabalhadores do HC a se rebelarem contra as injustiças das escalas intensificadas, aumentadas desnecessariamente somente para demonstrar poder. Ainda, a Direção do SINDIFES informa a TODOS as trabalhadoras e trabalhadores Técnico-Administrativos em Educação do HC que a determinação da Reitoria vale para todos os servidores independente de seus locais de lotação.